Como fazer para criar Diamante de Gould?

0

Perdi a conta das vezes que ouvi essa pergunta: “Como criar Diamante de Gould?”

Apesar de parecer ser complicada, a criação do Diamante de Gould, feita com o auxílio da ama-seca, é bastante simples.

Mas é claro que alguns detalhes são importantes e imprescindíveis. Qualquer coisa que falte ou falhe, pode resultar em prejuízos para o criador. Queria enumerar alguns fatos que, em minha opinião, acho importante.

Foto: Márcio Schimming – Pássaro: Criadouro Del Rio

O iniciante

A primeira coisa que recomendo, antes de qualquer coisa, é que o criador-iniciante visite mais de um criador experiente, ou seja, que tenha tido êxito na sua criação, para visualizar os aspectos gerais da criação. Acredito que com poucas horas de bate-papo se evitará alguns problemas comuns.

Local

É importante que seja bem ventilado, de pouca movimentação, com boa iluminação, ao abrigo do vento e que não receba luz durante a noite.

Equipamentos

Cada equipamento tem sua importância. Caso o ninho que o criador usa esteja dando resultado, deveria-se mantê-lo, independentemente se outro aparecer.

Matrizes

Investir é preciso. Fala-se muito em preço alto. O preço do Diamante está intrinsecamente ligado ao custo que suportamos para criá-los. Investir em boas matrizes é ganhar terreno. Já dizia um amigo meu: “você quer começar por onde estou terminando e não quer pagar por isso?” Comece com poucas, mas boas matrizes.

Foto: Márcio Schimming – Pássaro: Criadouro Del Rio

Quarentena

Quando introduzir aves de outros locais (compra, vinda de concurso etc.) no criadouro, deixar por um período de 21 dias em “quarentena”. Observar se a ave não se apresenta “encorujada” e se não aparecem piolhos, principalmente o “vermelhinho”.

Higiene

Procure manter o local de criação, gaiolas, ninhos, comedouros constantemente limpos. Dê banho duas vezes por semana, mesmo na época de criação também é muito bom. Tenha sempre em dobro, ninhos, comedouros e grades, para facilitar a troca.

Prevenção

Antes de iniciarmos a criação, no caso de um plantel com grande número de aves, seria interessante realizar tratamento preventivo para parasitoses (coccidiose principalmente) e doenças bacterianas (com antibioticoterapia adequada) sempre que possível com a supervisão de um médico veterinário.

Foto: Márcio Schimming – Pássaro: Criadouro Del Rio

Acasalamento e controle

 Alguns cruzamentos não são aconselhados. Conhecer o mínimo de genética é fundamental. Começar pelos comuns (dorso verde, peito roxo) é o ideal. Manter um controle da árvore genealógica também é importantíssimo. O controle não precisa ser informatizado, é claro que ajuda, mas as anotações em um caderno já são suficientes. Precisamos saber basicamente: a) anilha do pai; b) anilha da mãe; c) cor do pai; d) cor da mãe. Assim poderemos saber se são puros ou portadores, se são parentes etc.

Alimentação

Deve ser de boa qualidade, quantidade suficiente, boa procedência (procure conhecer as instalações de quem está vendendo e também questionar sua origem).

Manejo

Os pássaros devem ser tratados logo pela manhã. Quando com filhotes, bem cedo mesmo, pois os pais tratam dos filhotes logo no início do dia. Farinhada, quando úmida, deve ser tirada à tarde. O fundo da gaiola deve ter, preferencialmente, uma grade fazendo com que o pássaro não tenha contato com suas fezes. Deve também ser forrado com papel jornal, não impresso, que deverá ser trocado, no mínimo, duas vezes por semana.

Amas-seca

Devem preferencialmente ser criadas pelo próprio criador. O qual fará uma seleção dos melhores tratadores. Quando na voadeira, devem ser deixados vários ninhos para que se acostumem e, assim que se acasalem, entrem facilmente nos mesmos. Tenho usado o Manon de concurso para ama e tenho tido bastante sucesso.

Foto: Márcio Schimming – Pássaro: Criadouro Del Rio

Separação

Após 45 dias de nascido, o filhote já pode ser separado. Procure separá-lo em número máximo de seis unidades, primeiramente, numa gaiola de seis comedouros e um cocho no fundo da gaiola de mais ou menos 16 cm de comprimento, para que tenham comida suficiente.

Preparação para concurso

Caso o criador queira participar de concursos oficiais, deverá separar os filhotes em gaiolas de concurso logo que apareçam as penas do filete, tanto da fêmea como a do macho.

Observando os itens acima, o iniciante não terá grandes problemas com a criação.

Não podemos esquecer se for só uma “febre” passageira, não recomendo que comecem com muitos casais, pois a criação não é uma fábrica de produção em escala. Problemas sempre vão existir, mas com as ações acima, eles podem ser minimizados.

 

O que achou da postagem? Deixe seu comentário.

Compartilhar.

Sobre o autor

Cria pássaros exóticos desde 1986. Tetracampeão Brasileiro de Exóticos. Campeão Mundial dos dois Hemisférios (norte e sul). Diversas vezes campeão do troféu eficiência do campeonato Brasileiro de ornitologia. Campeão em diversos grupos no segmento de exóticos.

Comentários estão fechados.